O fracasso não ocorre por acaso

Muitos textos que lemos por aí falam sobre o sucesso. Sobre as vitórias de grandes homens e mulheres da história. Isso é natural, afinal, as pessoas querem crer que o mundo é um lugar bom e justo, que nada de mal vai lhes acontecer e que todos os sonhos são tangíveis. Convenhamos, sonhar é necessário! O homem só pode criar aquilo que tenha imaginado algum dia.

No entanto, permitam-me retirá-los deste devaneio por um instante e dar lhes um pequeno choque de realidade. Antes de ter sucesso, é muito provável que você vá fracassar.

Sim! É uma verdade dura e cruel. Mas quase todos os homens e mulheres bem-sucedidos da história tem fracassos em sua biografia. Praticamente todo candidato aprovado em concurso, já foi reprovado em um ou mais momentos anteriores. E é por isso que hoje eu vim falar de fracassos.

Na minha vida, os meus grandes exemplos sempre foram pessoas persistentes. Mas eu não tinha parado analisar olhar para os insucessos delas. Não que a ideia de fracasso em si fosse relevante. Mas essas aparentes derrotas e obstáculos foram cruciais na guinada que essas pessoas deram em suas vidas. Foi então que pude ver o papel relevante deles para forjar a persistência que eu tanto admirava nesses homens e mulheres. Escolha o personagem que quiser e investigue. Ele fracassou!

Listei aqui alguns poucos com algumas histórias conhecidas, apenas para reforçar a minha ideia.

Todo mundo conhece a Disney, certo? Fundada em 1923 pelo grande sonhador Walt Disney é o segundo maior conglomerado de mídia e entretenimento do planeta e um fenômeno da TV e do cinema. Mas, o que nem todo mundo sabe é que, muito antes de o Mickey ser criado, Sr. Walt Disney foi demitido de seu trabalho em um jornal por sua “falta de imaginação e boas ideias“. Difícil imaginar isso nos dias de hoje, mas é um fato!

E por falar em animação e cinema. Todo mundo sabe que Steve Jobs foi o criador da Pixar. O que algumas pessoas não sabem, é que a história de como a Pixar foi criada começa com a demissão de Steve Jobs da companhia que ele próprio fundou, a Apple. Empresa está para a qual ele foi recontratado anos depois e revolucionou o mundo tecnológico em que vivemos.

Vocês também devem conhecer a série “Harry Potter”. Mas você sabia que a autora do livro, Joanne Rowling (ou J. K. Rowling), apresentou o primeiro livro da sequência, “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, a oito editoras diferentes antes de conseguir publicá-lo. Mas, apesar deste obstáculo, obra conta hoje com mais de 120 milhões de cópias comercializadas.

Fábio Branda, juiz do TRT-2, foi reprovado em 43 concursos, antes de ser aprovado. Da pra imaginar? O famoso juiz William Douglas foi reprovado em 6 concursos antes de ser aprovado como juiz. Não o bastante, quebrou 12 empresas antes de obter sucesso como empreendedor e escritor. Em suas palestras, ele costuma dizer que “ o sucesso e o fracasso, nunca são pessoas. São situações”

São tantos fracassos…poderia citar inúmeros outros aqui, mas mataria vocês de tédio antes de chegar à metade rsrs.

O que importa é que, nas palavras do grande escritor Charles Dickens (autor da obra Oliver Twist):

“Cada fracasso ensina ao homem algo que ele precisava aprender”.

Então, se você fracassou, anime-se! Essa é a prova de que você está tentando.

Então, chore, grite, corra… faça seu ritual da superação, seja ele qual for. Curta 24 horas de “fossa”, prorrogáveis por mais 24. Contudo, ao vencer o prazo das 48 horas de auto piedade ( não deixe passar disso pra não virar drama), recobre o bom senso e firme esse toco!

Reveja sua estratégia, avalie seus erros (tanto nos estudos, quanto na prova), seja honesto e justo consigo mesmo. Responsabilize-se por aquilo que te prejudica, pela procrastinação, pelas horas nas redes sociais, pelas distrações, a ansiedade, a falta de autocontrole e de disciplina. Faça todas as reflexões que precisar fazer!

Quando tiver terminado de reajustar a rota e retomado o leme, sacuda essa poeira, levante a cabeça e, por favor, SIGA EM FRENTE! Rumo ao grupo dos vencedores, jamais para trás, em direção ao grupo dos derrotados.

E por favor, não se esqueça: É VOCÊ QUEM MANDA NESSA PORRA!

“Errei mais de 9.000 cestas e perdi quase 300 jogos. Em 26 diferentes finais de partidas fui encarregado de jogar a bola que venceria o jogo… e falhei. Eu tenho uma história repleta de falhas e fracassos em minha vida. E é exatamente por isso que sou um sucesso.” Michael Jordan.

Por Mari

Concurso PRF 2017: leia entrevista com coordenador de RH da corporação

No que depender da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o concurso para 1.300 vagas de policial rodoviário será aberto muito em breve. O coordenador geral de Recursos Humanos da corporação, Jesus Caamaño, informou à FOLHA DIRIGIDA, durante entrevista exclusiva, concedida em Brasília, que a direção-geral da PRF está empreendendo esforços para que a seleção possa sair do papel o mais rápido possível.

“A direção da PRF está empenhada em fazer acontecer o concurso e a gestão necessária junto ao Ministério do Planejamento”, garantiu Caamaño. Ele lembrou que, desde agosto do ano passado, a corporação já trabalha em uma proposta de edital, enquanto aguarda o sinal verde para a abertura da seleção.

“O concurso 2017 PRF depende da autorização do Ministério do Planejamento, mas nós não podemos aguardá-la para começar a trabalhar. É como o agricultor. Ele semea na esperança de que a semente vai germinar, vai crescer e frutificar. Essa semente nós estamos lançando com todo zelo. Estamos fazendo a análise do edital desde agosto. Enquanto não autorizarem o concurso, nós vamos continuar aperfeiçoando esse edital.”
Após autorização, edital da PRF sai em até três meses

Ele explicou que o pedido de concurso continua sob análise do Ministério da Justiça, para em seguida ser encaminhado ao Ministério do Planejamento, órgão responsável por avaliar o impacto orçamentário e autorizar as contratações. Caso receba o sinal verde para abrir a seleção, ele garantiu que o edital sairá em curto espaço de tempo. “Após a autorização, o edital deverá sair em torno de dois a três meses. Será o tempo necessário para escolher a banca organizadora”, explicou o coordenador geral de Recursos Humanos.

Caamaño confirmou que a PRF tem déficit de 2.500 policiais e demonstrou preocupação em relação ao elevado número de servidores que já reúnem as condições necessárias para se aposentar, ainda mais porque o governo pretende aprovar novas regras com a Reforma da Previdência.

“É questão de matemática. Se somarmos 3.600 servidores que reúnem condições para se aposentar ao déficit de 2.500, cairemos para um quadro de cerca de 7 mil policiais. A situação vai ficar ainda pior, muito mais difícil do que hoje. Nós temos o intuito de avançar na entrega à sociedade, mas para isso a gente precisa de mais pessoal, mais equipamento, tecnologia, investimento. É lógico que se você tirar o pessoal, certamente a viatura não anda sozinha, a abordagem não acontece só com câmeras. O elemento humano é essencial. É difícil fazer uma previsão se a Reforma da Previdência vai acelerar as aposentadorias, mas é algo que faz sentido. Se tenho requisitos implementados e vem uma reforma que eu possa me aposentar sem regras de transição, com a integralidade de salário, isso pode influenciar.”

PRF sofre com carência em todo o país

O coordenador geral de Recursos Humanos informou que a carência de policiais atinge o país inteiro. “Faltam servidores em todos os estados, uns mais que os outros, mas há em todos. Temos hoje um plano de segurança nacional pública que foca muito a segurança em estados de fronteira. Temos também muita demanda em relação ao eixo Rio-São Paulo, em virtude da Rodovia Presidente Dutra, por onde trafega cerca de 50% do PIB do Brasil em mercadorias e riquezas e onde, infelizmente, há uma incidência grande de roubos de cargas. Sendo um órgão nacional, nós precisamos suprir todos os estados. A gente evita falar em regionalismos. Demandas pontuais existem, não negamos, mas a nossa preocupação vai bem além de um estado ou outro”, explicou.

Jesus Caamaño informou que o concurso, caso seja autorizado pelo Ministério do Planejamento, será de caráter nacional e não regionalizado (com edital trazendo vagas específicas por estado). “É um pouco complexo o concurso regional, pois somos uma força de caráter nacional. E o concurso nacional é aquele que mais satisfaz aos interesses do órgão, segundo as políticas públicas e governamentais estabelecidas, para poder lotar o aprovado onde a administração considera necessário”, destacou.

O cargo de policial rodoviário federal tem requisito de formação superior em qualquer área, além de carteira de habilitação, na categoria B ou superior. A remuneração inicial oferecida é de R$9.501,98, já incluindo o auxílio-alimentação, de R$458. Há reajuste aprovado, aumentando os iniciais para R$9.931,57 em 2018 e para R$10.357,88 em 2019. O último concurso para o cargo foi aberto em 2013, tendo sido organizado pelo Cespe/UnB.

Fonte: Folha Dirigida

Por Jonas Leite

PEC 308: PROPOSTA QUE CRIA AS POLÍCIAS PENITENCIÁRIAS FEDERAL E ESTADUAL

Em comissão geral sobre o sistema carcerário brasileiro, no Plenário, deputados e agentes penitenciários pediram a votação de proposta que cria a polícia penitenciária. 

A transformação do agente penitenciário em polícia penal foi o principal ponto discutido na comissão geral sobre o sistema prisional brasileiro, realizada nesta terça-feira (4) na Câmara dos Deputados. Agentes, procuradores de Justiça, delegados e deputados presentes ao debate defenderam a aprovação pela Casa da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 308/04, que cria as polícias penitenciárias federal e estadual. O objetivo é liberar as outras polícias, como a civil e a militar, das atividades carcerárias. O texto está pronto para entrar na pauta do Plenário.

“É lamentável que, por falta de informações, os agentes sejam chamados de carcereiros. Vocês serão polícia de direito e serão incluídos na Constituição”, afirmou o deputado Lincoln Portela (PRB-MG), que sugeriu o debate e é presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Agentes Penitenciários.

Segundo o procurador de Justiça de São Paulo Márcio Sérgio Christino, a PEC 308 merece apoio porque o agente penitenciário seria “a coluna sobre a qual repousa o sistema penitenciário”. “Ele tem de ter condições de realizar sua missão. Isso é a base de qualquer reforma no sistema”, declarou.

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luís Antônio Boudens, acrescentou que a PEC 308 é uma dívida que o Congresso e o Poder Executivo têm para com os trabalhadores do sistema penitenciário. Na avaliação de Boudens, a valorização da categoria é necessária para que não se permita que “aventureiros façam parte desse setor da segurança pública”.

O deputado Cabo Sabino (PR-CE) disse não entender como uma categoria que toma conta de tudo dentro do presídio pode não ser considerada segurança pública. “Nós temos que ter uma polícia penal no País. É uma questão técnica que vai trazer ganho real para a sociedade.”

Previdência
Outro ponto mencionado pelos agentes penitenciários foi a reforma da Previdência. A categoria vê com preocupação a proposta em análise na Câmara, em razão de ela acabar com a aposentadoria especial para atividades de risco.

“O agente já tem uma vida muita curta. Se tivermos a reforma da Previdência e nós formos encaixados, com certeza será o fim”, comentou o presidente da Associação dos Agentes de Segurança Penitenciária de São Paulo (Aaspesp), Cicero Felix de Souza.

O diretor executivo do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná, José Roberto das Neves, também se mostrou preocupado com a questão. Os agentes, afirmou, estão doentes e muitos tomam remédios controlados. “É preciso pensar na saúde, na qualidade de vida e nas condições de trabalho desses servidores”, defendeu.

Desencarceramento
Alguns participantes do debate discutiram ainda a superlotação dos presídios brasileiros e apoiaram medidas como o desencarceramento em massa de presos que já cumpriram pena ou que cometeram crimes de pequeno potencial ofensivo.

O presidente do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, Cristiano Avila Maronna, acredita que a crise do sistema prisional nunca se resolverá se o número de presos não diminuir. Ele sugeriu alterações na legislação sobre drogas, a fim de reduzir o encarceramento no Brasil. “O fato de não haver distinção entre usuários e traficantes faz com que muitos usuários sejam encarcerados como se traficantes fossem”, exemplificou.

Os advogados Natália Damazio e Gabriel Carvalho de Sampaio lamentaram que hoje a população carcerária seja composta em sua maioria por jovens negros e pobres. “Precisamos de uma nova política policial e penitenciária. As pessoas estão sendo presas na periferia, quando não mortas e assassinadas. A solução é resolver esse problema com mais encarceramento?”, questionou Sampaio.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

PEC-308/2004

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Marcelo Oliveira

Fonte: Agência Câmara Notícias , via Saga Policial

Por Jonas Leite

Nunca deixe sua arma sobre a porra da mesa!

Para variar, as informações são desencontradas. Entretanto, o que se sabe, com certeza, é que a morte do policial civil K.C.L. (35 anos) foi uma tragédia. Lotado na Delegacia de Homicídios e Entorpecentes de Patos/PB, o colega foi atingido na cabeça por um tiro disparado pelo criminoso E.B.D.

As informações a seguir são trechos adaptados de artigos publicados na internet sobre o acontecimento que vitimou mais um policial brasileiro. Em que pese a ação do criminoso, os erros que permitiram a morte do policial não podem ser creditados apenas ao assassino. Afinal, todas as tragédias são o resultado de erros conhecidos: a imprudência, a imperícia e a negligência. São erros que corroem lenta e impiedosamente o comportamento do policial até o momento em que ele ou alguém próximo sofra as consequências (erros e mortes evitáveis).

Um fato grave foi registrado no final da manhã deste domingo, dia 29, na cidade de Patos/PB. O policial civil K.C.L. foi morto com um tiro na cabeça por volta de 11h. O crime aconteceu dentro da Delegacia de Homicídios. O acusado do disparo estava detido após ser preso pela Polícia Rodoviária Federal. Mesmo ALGEMADO, O PRESO PEGOU A ARMA QUE ESTAVA SOBRE A MESA do delegado e efetuou o disparo. O tiro atingiu o policial civil que teve morte imediata. O preso sofreu também um disparo feito por um dos policiais, não resistiu e morreu minutos depois. (Radar Sertanejo).

De acordo com informações de policiais que estavam no local, o bandido estava sendo ouvido, quando teria TOMADO UMA ARMA QUE ESTAVA EM CIMA DA MESA e atirou contra o agente K.C.L., que ia entrando na sala no momento. O tiro atingiu a cabeça do policial que morreu na hora. Os colegas reagiram e chegaram a atirar contra o assaltante que acabou morrendo logo em seguida. Policiais informaram que o bandido ESTAVA ALGEMADO NO MOMENTO DO CRIME COM AS MÃOS PARA FRENTE. A ação foi rápida e intempestiva e pegou todos de surpresa. Porém, a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública ainda não confirmou a versão dos fatos. Ainda não foi informado quem estava na sala no momento do crime nem tampouco a versão oficial para os fatos. A Secretaria de Segurança Pública não confirmou se a arma era a do delegado que estaria em cima da mesa. (Claudio P. Aguiar).

Os dois presos estavam na sala do delegado para os procedimentos de praxe quando E.B.D. MESMO ALGEMADO PEGOU A ARMA QUE ESTAVA SOBRE A MESA e efetuou o disparo que atingiu o policial civil. (Arlete Santos).

A assessoria da secretaria destacou que a arma que o preso usou para atirar NÃO ERA A DO AGENTE QUE FOI MORTO E QUE O POLICIAL NÃO FOI DESARMADO. A assessoria também não confirmou se o preso estava algemado no momento. (G1).

O suspeito era um bandido de alta periculosidade, com ligações com o PCC paulista. Ele foi preso ontem e estava no presídio até hoje pela manhã, quando o pessoal da Homicídios foi buscá-lo para interrogatório. O problema aconteceu dentro da delegacia, quando o suspeito ENTROU EM CONFRONTO COM OS POLICIAIS E CONSEGUIU PEGAR UMA ARMA e matar o agente. “O que iremos apurar é se o suspeito estava algemado, que seria o procedimento padrão, e como ele teve acesso a arma”. (Portal Correio).

Pelo menos na teoria, é de se esperar que todo policial seja um perito em armas de fogo. Assim, a imperícia seria eliminada da equação. Considerando que uma arma não é um brinquedo, uma peça decorativa ou uma ferramenta para leigos, as regras de segurança impõem comportamentos para eliminar (ou diminuir) os casos de imprudência e negligência. E o motivo é muito simples: armas são perigosas quando não são manejadas ou usadas adequadamente e podem facilmente ferir ou matar alguém. De modo geral, um projétil de pistola viaja a 330 m/s (ou 1.188 km/h) e isso significa que não há uma segunda chance com uma arma de fogo.

As regras de segurança são as seguintes, basicamente:

  • Sempre trate sua arma como se ela estivesse carregada;
  • Sempre mantenha sua arma apontada para uma direção segura;
  • Somente aponte sua arma para onde pretenda atirar;
  • Mantenha seu dedo estendido ao longo da arma até que esteja realmente apontando para o alvo e pronto para o disparo;
  • Sempre mantenha o dedo fora do gatilho ao sacar ou coldrear uma arma;
  • Certifique-se do seu alvo e o que está além dele;
  • Certifique-se do que está a sua volta;
  • Nunca deixe sua arma de forma descuidada ou fora do alcance.

Enquanto as notícias informaram que o criminoso, mesmo algemado, conseguiu pegar uma arma sobre a mesa no interior da delegacia, a Secretaria de Defesa Social era a única que parecia não ter informações concretas (se o preso estava algemado, se ele foi deixado sozinho, a quem pertencia a arma usada no crime e onde ela estava localizada). Pode ser que os acontecimentos daquela manhã jamais sejam esclarecidos da forma como ocorreram. Não digo isso com o propósito de punir o dono da arma, já que a morte do colega é uma punição eterna, mas com o objetivo de que os erros possam ser avaliados como forma de aprendizado e prevenção. 

Como mencionei no início, tragédias raramente são ocorrências abruptas, silenciosas e invisíveis. Então, existe uma delegacia de polícia, um criminoso perigoso e experiente algemado para frente, uma arma de fogo sobre a mesa e uma sala vazia (conforme noticiado na imprensa). Tudo isso se uniu no instante em que o colega entrou na sala, segundo um dos relatos. O resultado poderia ter sido pior, não fosse a reação dos demais policiais armados.

Delegacias, quartéis, viaturas policiais, presídios e locais de crimes são lugares onde policiais e criminosos se deparam e estão desconfortavelmente próximos. É imperativo que os delinquentes sejam corretamente algemados; que os policiais mantenham alguma distância; que armas de fogo e outros instrumentos (como grampeadores, estiletes, furadores de papel, canecas, garrafas, canetas, etc.) estejam fora do alcance; que todos os policiais estejam atentos e em condições de agir de forma menos letal ou mais letal, se a necessidade diante do perigo e das ações do criminoso assim exigir.

Com tudo contribuindo para o desastre durante o trabalho, é de se esperar que o policial também compreenda que uma arma de fogo deve estar sempre com ele, onde quer que vá. Armas não devem ficar dentro do carro, da gaveta, do armário, sobre uma mesa ou fora do alcance. E a foto que ilustra este artigo já demonstra o que eu quero dizer. Um preso pode ter sido submetido a uma busca pessoal malfeita (Confresa/MT); a delegacia pode ser atacada e invadida por quadrilhas em busca de armas e drogas apreendidas (Pirapora/MG); um policial pode decidir tirar a própria vida, mas não sem antes matar um colega (Rondonópolis/MT); um ladrão pode entrar no prédio, passar pela recepção e, sorrateiramente, furtar a carteira civil de um colega (no térreo), uma arma dentro do armário na sala de outro policial (no primeiro andar) e um colete sobre a cadeira no gabinete de outro policial (no segundo andar), depois utilizar esse aparato para fechar o trânsito numa das mais importantes avenidas da região e assaltar um comerciante que transportava uma quantia em dinheiro (Belo Horizonte/MG).

Portanto, quando as coisas saírem dos trilhos é importante estar em condições de lutar, defender os colegas e a si mesmo. E isso vai ser feito com uma arma de fogo, que deve estar na cintura e num coldre de qualidade ou nas mãos do dono, mas nunca ao alcance do bandido.

Fonte: http://comunidadepolicial.blogspot.com.br/

Humberto Wendling é Agente Especial, Professor de Armamento e Tiro da Polícia Federal e autor do livro Autodefesa Contra o Crime e a Violência – Um guia para civis e policiais, 2ª edição.

 

Por Jonas Leite

Desafiando demônios: relato de uma futura Perita Criminal Federal

A gente passa a vida ouvindo a pessoas dizerem que “somos capazes de chegar onde queremos”, que “nós somos nossos maiores inimigos”. De certo modo, até entendemos o que isso quer dizer, mas a grande maioria não compreende a real extensão dessas verdades. Digo isso, por que eu fiz parte desta maioria.

FIZ! NÃO FAÇO MAIS!

Entenda: qualquer um pode correr uma maratona, ou fazer um triátlon. Qualquer um pode ganhar uma medalha de ouro nas olimpíadas, e digo mais, QUAL QUER UM PODE PASSAR NA PF. Juro, pergunte quem passou? Quantos deles eram os mais inteligentes? Vejam quantas histórias de superação estão por trás das vidas dos aprovados.


“Sabe por que você é seu maior inimigo? Por que você é o único que diz o que pode ou não fazer”


Bom! Sabemos que muitos queriam ter esses “títulos” na sua vida. Mas quantos realmente estão dispostos a pagar o preço? Quantos realmente vão abrir mão do bar, das festas com a turma, das baladas, dos jogos do timão? Quantos vão abrir mão das coisas para acordar cedo pra treinar ou estudar e passar horas, dias e até anos assim? Quantos deixam relacionamentos de lado, rompem laços e entram em conflito pra viver esse sonho? E, principalmente, quantos acreditam que são capazes e aceitam o desafio interno de vencer a si mesmos?

São poucos os que têm essa coragem, essa determinação!!!!

Sabe por que você é seu maior inimigo? Por que você é o único que diz o que pode ou não fazer. É o único que pode realmente transpor aquela barreira que você criou para si mesmo.

Verdade seja dita: Todos nós temos demônios internos, como medo, insegurança, ansiedade, derrota, falta de incentivo…, mas pra chegar lá, precisamos vencer a batalha contra nossa mente. Pra mim, essa prova de PCF (Perito Criminal Federal) representa meus grandes demônios. Treinar e estudar pra essa prova sempre foram coisas que não me considerava capaz. Mas sei que tenho que vencer essas etapas pra chegar onde quero, não tem atalho.


“Mas, sejamos francos! Não se pode esperar que algo extraordinário aconteça se você não fizer a sua parte”


Comecei a estudar há um bom tempo, mas passei muito tempo me enganando. Eu não estava realmente me testando, vencendo meus medos e derrubando as barreiras que eu mesma coloquei no caminho.
Mas, sejamos francos! Não se pode esperar que algo extraordinário aconteça se você não fizer a sua parte. Se você quer que chova, tem que deixar o campo arado para receber a água. Caso contrário, mesmo que a chuva venha, ela terá um terreno infértil para molhar. Então de nada vai adiantar.


“Acredite, você PODE chegar a qualquer lugar se pagar o preço da jornada”


Por isso, depois de muito me sabotar e dizer pra mim mesma “que não sou capaz”, “que não ia dar certo”, eu resolvi colocar atitude no lugar das minhas desculpas e começar a me desafiar, a enfrentar meus demônios. Foi então que eu comecei a arar e adubar a minha terra para receber a chuva.
Acredite, você PODE chegar a qualquer lugar se pagar o preço da jornada. Uma maratona começa com um passo. Cansa, dói, leva tempo e isso é frustrante, eu bem sei. Mas cada passo dado na direção da linha de chegada é um passo a mais perto do seu sonho. Todos os Km corrido, cada treino, barra, simulado, resumo, cada lei. Tudo é relevante! Tudo faz parte do processo e não dá pra encurtar a viagem.

Por enquanto, ainda não choveu por aqui. Mas, quando soarem os trovões e a notícia de chuva chegar à minha instância, a água vai encontrar a minha terra arada, adubada e preparada pra dar frutos.

E você, já se preparou para a chuva?

Fonte: http://maciodaro.blogspot.com.br/ o Blog da nossa futura Perita Criminal Federal Mari

Por Jonas Leite

Vc tem medo?

 

Olá… aqui é o Coach Fernando Odnanref

Vc tem medo?
Vc sabe o que é medo?
Quer saber como eliminar o medo?

Jovem, eu tenho 20 anos na PF, já passei por situações que me fizeram passar um filme na minha cabeça em frações de segundos.
Posso te dizer com toda certeza do mundo, a melhor coisa do mundo é ter medo. A pior coisa é não saber como controlá-lo!
Medo todos nós temos. A diferença é saber transformar isso numa coisa que te ajuda a chegar lá. Quer uma dica, um Bizu Federal para isso?

Medo é tão somente a não aceitação da incerteza.
Incerteza que te faz pensar no insucesso, na reprovação, na critica alheia ao seu suposto fracasso, que te faz pensar que você pode menos que realmente você pode.

A rigor, tudo no mundo é incerto e a única certeza é a morte. Duvido alguém ter a certeza, sequer, que estará vivo ao amanhecer! Assim, se você aceitar a incerteza (algo natural a tudo, menos à morte), seu medo se torna uma deliciosa aventura.

Vai por mim. Aceite a incerteza e curta sua caminhada.
Tudo será melhor, e o que seria um motivo de dor e sofrimento (os estudos), vira uma linda aventura, algo que te dará orgulho de contar daqui a alguns dias.

Assista esse vídeo no meu canal para ver se o que eu falei faz sentido.

OBRIGADO!
Porque você não é o que aconteceu com você. 

Você é quem escolheu se tornar!

Pense nisso!

Prof. Fernando Odnanref
Coach Alta Performance 
@agentefederalfernando

Fonte: http://maciodaro.blogspot.com.br (blog da Mari)

Saiu edital PM/AC: 230 vagas com salário até R$ 3.319,12

marcha_25mai11

Alô, Acre… edital novo na praça!!!!

De acordo com o edital de concurso PM/AC serão oferecidas oportunidades para Aluno Soldado Combatente (230 vagas), Aluno Soldado Músico (10 vagas) e Aluno Soldado de Saúde (10 vagas). Do quantitativo de vagas para Combatente, 184 são para candidatos do sexo masculino e 46 para o sexo feminino. O Aluno Soldado Combatente tem como atribuições básicas a atividade militar consiste na dedicação integral, a qual está restrita a obrigação do militar estadual, independente de quadro, qualificação, especialização, atividade técnica, sexo ou nível hierárquico, ao cumprimento da jornada de trabalho, que compreende serviços de polícia ostensiva e preservação da ordem pública, instruções, ações e operações, exercícios de adestramento, revistas, formaturas, paradas, diligências, patrulhamento, entre outras tarefas.

Requisitos Concurso PM AC 2017
Para concorrer a uma das vagas no concurso da Polícia Militar do Acre 2017, o candidato deverá ter nível médio completo. Para o cargo de Aluno será exigido ainda, curso de técnico em enfermagem. Além do grau de escolaridade, o candidato deverá ter até 30 anos, altura mínima de 1,55m para candidatos do sexo feminino e 1,60m para candidatos do sexo masculino, entre outros requisitos.

Inscrição Concurso PM AC 2017
Os interessados em concorrer a uma das vagas poderão se inscrever entre os dias 03 e 28 de março de 2017, no endereço eletrônico oficial da organizadora (www.ibade.org.br). A taxa de inscrição custará R$65,00.

Edital

Por Jonas Leite

Concurso Soldado PMMG 2017 – inscrições abertas!!!

As inscrições do concurso público da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais (Concurso PM MG) para 416 vagas estão abertas. As oportunidades são destinadas a 5ª, 7ª, 11ª, 12ª e 14ª regiões. O Centro de Recrutamento e Seleção do órgão (CRS) coordenará o concurso PM MG 2017 para o interior do Estado – número 18/2016. Os interessados têm até o dia 29 de março para efetivarem a inscrição.

Para participar do concurso será necessário nível superior em qualquer área. Os aprovados no certame passarão por um curso, cuja duração será de 09 meses, com início previsto para 01 de novembro de 2017 e término em agosto de 2018, em tempo integral, com regime de dedicação 2 exclusiva e atividades escolares extraclasse após as 18h00min, inclusive aos sábados, domingos e feriados. O Soldado 2ª Classe fará jus, durante o período do curso, à remuneração, abono fardamento, assistência médico-hospitalar, psicológica e odontológica, conforme legislação em vigor.
Requisitos para participar do concurso PM MG
Para concorrer a uma das vagas, o candidato interessado deverá ter nível superior completo. Além disso, estar quite com as obrigações eleitorais e militares; ter entre 18 (dezoito) e 30 (trinta) anos de idade na data da inclusão, prevista para o dia 01 de setembro de 2017; possuir idoneidade moral; ter altura mínima de 1,60, sanidade física e mental, aptidão física; ser aprovado em avaliação psicológica; e não apresentar tatuagem visível quando em uso dos diversos uniformes da Polícia Militar são requisitos para participar do certame.

Inscrição
As inscrições no concurso da PM MG 2017 – Interior serão realizadas entre até 29 de março de 2017, no endereço eletrônico oficial da corporação: www.policiamilitar.mg.gov.br/crs. A taxa de inscrição custará o valor de R$ 122,95.

Provas
Os inscritos no concurso serão avaliados por:

a) provas objetivas;

b) redação;
c) exames de saúde (preliminares e complementares);

d) teste de capacitação física;

e) avaliações psicológicas; e

f) exame toxicológico.

As avaliações serão aplicadas na data prevista de 07 de maio de 2017, turno da manhã, das 08h30min às 12h30min. A avaliação contará com questões de Língua Portuguesa, Direito Penal, Direito Constitucional, Noções de Direito Penal Militar, Noções de Estatísticas, Direitos Humanos e Legislação Extravagante. Os gabaritos serão divulgados no dia subsequente a aplicação de provas, no site já citado.

A validade do concurso será de 30 dias, mas pode ser prorrogado por igual período.

Edital

Por Jonas Leite

Por Agente Federal Humberto

publico-alvo-1024x640

Assertividade é um substantivo feminino que expressa a qualidade do que é assertivo, afirmativo ou positivo.

A palavra assertividade deriva de “asserto”, que significa uma proposição decisiva. Uma pessoa que demonstra assertividade é autoconfiante que não tem dificuldades em expressar a sua opinião.


Ser uma pessoa assertiva significa ser firme com o propósito de manter-se seguro. Funciona quando você defende seu espaço (mental e físico) sem recuar e sem agredir alguém; quando você se sente bem ao dizer sim ou não; quando você sabe que não precisa dar satisfações a todas as pessoas por tudo aquilo que faz.

As pessoas assertivas lidam com os conflitos com mais facilidade e satisfação; sentem-se menos estressadas; adquirem maior confiança; agem com mais tato; melhoram sua imagem e credibilidade; expressam seu desacordo de modo convincente, mas sem prejudicar o relacionamento pessoal; resistem às tentativas de manipulação, ameaças, chantagem emocional, bajulação, etc.; sentem-se melhor e fazem com que os outros também se sintam melhor.

Se você não é uma pessoa assertiva, procure oportunidades para exercitar essa qualidade. Reclame de um produto ou serviço ruim; exija um desconto na sua próxima compra; expresse sua opinião sincera naquelas circunstâncias em que você normalmente não faria isso; diga não e agradeça, sempre que alguém lhe oferecer um produto ou serviço do qual não precisa.

Lembre-se que nada disso significa ser rude, combativo, ser dono da razão ou ter a última palavra. Talvez um dos maiores erros que as pessoas comentem em relação à assertividade e à agressividade é não saber a diferença entre uma reclamação e uma crítica. Você tem o direito de apresentar uma reclamação legítima, mas não tem o direito de criticar. Reclamações são tentativas de resolver um problema; críticas são ataques. Uma reclamação faz referência a um assunto urgente que precisa ser negociado e resolvido. Enquanto que uma crítica é um ataque que é insolúvel no momento, normalmente referindo-se a algo do passado ou a alguma característica pessoal de alguém. Ao fazer uma crítica, você permite que a outra parte faça o mesmo em relação a você, dando início a escalada de uma discussão que pode levar à violência. Um exemplo dessa diferença é uma reclamação do tipo: ”Você não está me tratando bem…” Isso define um problema e um fato, abrindo as portas para uma negociação e a chegada a um termo comum. Mas uma crítica encerra essas possibilidades: “Você é mal-educado…”

A prática da assertividade melhora sua autoconfiança e estabelece um perfil de não-vítima.

Portanto, pratique a assertividade nos pequenos acontecimentos do cotidiano. Por exemplo, você parou seu carro no semáforo e não subiu o vidro. Um mendigo, vendedor ou “panfleteiro” se aproxima e lhe pede ou oferece algo que você não quer. Então, faça contato olho no olho e diga: não, obrigado! Você não precisa sorrir, não precisa se justificar nem inventar desculpas. Sua resposta padrão deve ser sempre esta: NÃO!

Em março de 2009, a advogada A.K.S.P. atendeu um desconhecido que havia tocado o interfone. O homem se identificou como pastor e perguntou se a advogada acreditava em Deus. Ela respondeu afirmativamente, e então o homem pediu que ela abrisse a portaria para que ele realizasse a pregação. A advogada simplesmente disse a frase padrão: não, obrigada! (Uberlândia/MG).

Algumas pessoas acreditam que isso não é correto e nem educado, mas a verdade é que você não pode acreditar nas histórias que ouve de pessoas desconhecidas, muito menos acreditar que todas elas são bem intencionadas.Lembre-se, a sua segurança vem em primeiro lugar.

Fonte: http://comunidadepolicial.blogspot.com.br/

*Trecho do livro Autodefesa Contra o Crime e a Violência.

Humberto Wendling é Agente Especial, Professor de Armamento e Tiro da Polícia Federal e autor do livro Autodefesa Contra o Crime e a Violência – Um guia para civis e policiais, 2ª edição.

Por Jonas Leite

QUER VENCER EM CONCURSOS E NA VIDA? LEIA ESTE DEPOIMENTO

hqdefault

Olá, amigos e amigas, como estão?

Quem escreve é o Jonas, criador e editor deste blog. A postagem de hoje é diretamente para você que possui um sonho, mas não inicia sua conquista por fatores pessoais ou externos.

Antes, gostaria de registrar meus eternos agradecimentos ao Coach e colaborador deste blog Fernando Odnanref, sem os seus ensinamentos, hoje, não seria possível elaborar este texto. Vida longa, irmão!

Bem, sou o Jonas, 33 anos, analista de sistemas, pai, filho, amigo, batalhador, sonhador, enfim, um cara normal. Fiz este breve resumo, pois esse texto não é de autoajuda, tentarei, de forma simples e humilde, registrar os meus ganhos como ser-humano nos últimos tempos: são melhoras extraordinárias que só farão sentido completamente se eu as compartilhar com vocês. Não deixe, também, de indicar aos seus amigos: curta, compartilhe, marque… Afinal, o que é bom tem que ser repassado.


Cheguei ao meu limite emocional, a responsabilidade do trabalho, a falta de diálogo, a instabilidade financeira, o senso de vitimização, a solidão, a frustração e os erros do passado eram companheiros constantes em minha vida. Por mais que houvesse momentos felizes eu me sentia uma pessoa triste. Triste por não sentir prazer no meu trabalho; triste por achar a segunda-feira um péssimo dia mesmo antes de levantar da cama; triste por ser feliz apenas dois dias da semana (sábado e domingo); triste por culpar o passado pela minha situação presente; triste por ganhar razoavelmente bem e não conseguir poupar; triste por ter amigos, mas ao mesmo tempo me sentir sozinho; triste por saber que Deus estava cuidando de mim, mas não era capaz de agradecer corretamente; triste por não ser um filho presente e, ás vezes, um pai também; triste por não ser capaz de me doar a alguma causa pelo simples fato de não ter tempo; triste por impor metas, principalmente de estudos, e não conseguir cumpri-las e triste por desejar mudanças boas e nada acontecer.

Hoje eu enxergo tudo isso, mas há três meses todos esses sentimentos de tristeza eram resumidos em vitimização, ou seja, sentia-me vítima de tudo isso, algo que eu não podia mudar, pois estava longe do meu alcance. Culpava a empresa pela pressão psicológica, atribuía à situação atual do país a dificuldade de me desenvolver financeiramente, apegava-me a certos acontecimentos do passado para justificar fatos, ausências e julgar pessoas, enfim, culpava esses eventos e outros por não atingir minhas metas, principalmente as de estudos. Era uma sensação de impotência que eu acreditava estar predestinado a viver, a conviver e a aceitar.

Engana-se quem pensa que toda essa situação era clara em minha cabeça, pois por incrível que pareça eu me sentia no caminho certo, os resultados eram que não vinham. Sentia-me cumprindo o protocolo de bom pai, de bom filho, de bom profissional, de bom estudante e de bom amigo. Talvez até aqui você tenha se identificado com algo, certo?

Mas como cheguei ao ponto de procurar ajuda já que tudo, “aparentemente”, ia bem? Amigos, sintomas de stress e de depressão, mau humor, ausências afetivas e choros descontrolados faziam parte de minha rotina, mas eu os associava, quase sempre, como consequência de uma vida corrida. Tive a certeza de que precisava de ajuda profissional quando perdi a paixão pelo trabalho, quando deixei de estudar corretamente, quando meus comportamentos mudaram com as pessoas que eu mais amo, quando o amor próprio gritou dizendo que estava quase no fim e quando me senti muito, mas muito distante de Deus. Percebi, então, que sozinho não era possível.

A mudança… O renascimento…

Orei, pedi para que Deus me ajudasse a procurar o melhor tratamento, algo que pudesse responder minhas questões e que fosse capaz de orientar rumo ao meu objetivo.

Antes de detalhar essa mudança de vida extraordinária, exponho para vocês o meu objetivo de vida. Apesar de ter sido aprovado em alguns concursos policiais, meu sonho profissional é de pertencer à Polícia Federal, mais precisamente como Agente de Polícia Federal. Deste sonho surgiu este blog e deste blog surgiu e surge diariamente a vontade de lutar cada vez mais por isso.

Voltando… A mudança.

Decidi que sozinho não era possível vencer. Imagine você dentro de um poço seco, onde a única forma de sair de lá é alguém te jogando uma corda e puxando. Você grita, grita, grita, até que em algum momento alguém ouve e te ajuda. Pois é, aconteceu exatamente isso comigo, mas os meus gritos eram silenciosos, só Deus os ouvia e, como sempre, Ele não me desamparou.

Certa noite, de forma totalmente inesperada, o Coach e Agente da Polícia Federal Fernando Odnanref me chamou no whatsapp dizendo-me que estava gostando do meu trabalho no blog e que eu era merecedor de algumas sessões de coach. Sim, simples assim, sem pedidos e sem rodeios.

Tive a primeira sessão on-line, foram 90 minutos de sabedoria, de amor ao próximo e de aprendizado. Afirmo com todas as letras que após esse primeiro encontro um novo Jonas nasceu. Um Jonas ciente de que a felicidade é uma decisão e não um acaso. Um Jonas consciente de que tudo muda ao seu redor quando você está disposto a mudar. Um Jonas capitão do seu barco e chefe do leme de sua vida. Um Jonas convicto de suas competências e valores. Um Jonas ser-humano que também erra, mas com a diferença de aprender e com isso se arrepender. Um Jonas feliz de segunda a segunda, de férias ou trabalhando, no calor ou no frio, com problemas ou sem eles, enfim, feliz. Um Jonas que entendeu e agregou em sua vida que a felicidade não está no destino, mas sim na jornada.

Amigos e amigas, como disse acima, se eu não compartilhasse esses ganhos e ensinamentos com vocês nada disso faria sentido. Jamais se convençam que a vida é apenas o que te faz sobreviver. A vida é muito mais que sobrevivência; a vida é única e preciosa. Analise seus sonhos, trace um plano de ação, coloque metas e comece a batalhar, pois a vida só fará sentido quando você resolver mudá-la.

Quando tudo estiver ótimo, lembre-se dessa frase: é apenas o começo!

Por Jonas Leite

Conheça o Coach e Policial Federal Fernando Odnanref