Dicas Concursos

Desafiando demônios: relato de uma futura Perita Criminal Federal

A gente passa a vida ouvindo a pessoas dizerem que “somos capazes de chegar onde queremos”, que “nós somos nossos maiores inimigos”. De certo modo, até entendemos o que isso quer dizer, mas a grande maioria não compreende a real extensão dessas verdades. Digo isso, por que eu fiz parte desta maioria.

FIZ! NÃO FAÇO MAIS!

Entenda: qualquer um pode correr uma maratona, ou fazer um triátlon. Qualquer um pode ganhar uma medalha de ouro nas olimpíadas, e digo mais, QUAL QUER UM PODE PASSAR NA PF. Juro, pergunte quem passou? Quantos deles eram os mais inteligentes? Vejam quantas histórias de superação estão por trás das vidas dos aprovados.


“Sabe por que você é seu maior inimigo? Por que você é o único que diz o que pode ou não fazer”


Bom! Sabemos que muitos queriam ter esses “títulos” na sua vida. Mas quantos realmente estão dispostos a pagar o preço? Quantos realmente vão abrir mão do bar, das festas com a turma, das baladas, dos jogos do timão? Quantos vão abrir mão das coisas para acordar cedo pra treinar ou estudar e passar horas, dias e até anos assim? Quantos deixam relacionamentos de lado, rompem laços e entram em conflito pra viver esse sonho? E, principalmente, quantos acreditam que são capazes e aceitam o desafio interno de vencer a si mesmos?

São poucos os que têm essa coragem, essa determinação!!!!

Sabe por que você é seu maior inimigo? Por que você é o único que diz o que pode ou não fazer. É o único que pode realmente transpor aquela barreira que você criou para si mesmo.

Verdade seja dita: Todos nós temos demônios internos, como medo, insegurança, ansiedade, derrota, falta de incentivo…, mas pra chegar lá, precisamos vencer a batalha contra nossa mente. Pra mim, essa prova de PCF (Perito Criminal Federal) representa meus grandes demônios. Treinar e estudar pra essa prova sempre foram coisas que não me considerava capaz. Mas sei que tenho que vencer essas etapas pra chegar onde quero, não tem atalho.


“Mas, sejamos francos! Não se pode esperar que algo extraordinário aconteça se você não fizer a sua parte”


Comecei a estudar há um bom tempo, mas passei muito tempo me enganando. Eu não estava realmente me testando, vencendo meus medos e derrubando as barreiras que eu mesma coloquei no caminho.
Mas, sejamos francos! Não se pode esperar que algo extraordinário aconteça se você não fizer a sua parte. Se você quer que chova, tem que deixar o campo arado para receber a água. Caso contrário, mesmo que a chuva venha, ela terá um terreno infértil para molhar. Então de nada vai adiantar.


“Acredite, você PODE chegar a qualquer lugar se pagar o preço da jornada”


Por isso, depois de muito me sabotar e dizer pra mim mesma “que não sou capaz”, “que não ia dar certo”, eu resolvi colocar atitude no lugar das minhas desculpas e começar a me desafiar, a enfrentar meus demônios. Foi então que eu comecei a arar e adubar a minha terra para receber a chuva.
Acredite, você PODE chegar a qualquer lugar se pagar o preço da jornada. Uma maratona começa com um passo. Cansa, dói, leva tempo e isso é frustrante, eu bem sei. Mas cada passo dado na direção da linha de chegada é um passo a mais perto do seu sonho. Todos os Km corrido, cada treino, barra, simulado, resumo, cada lei. Tudo é relevante! Tudo faz parte do processo e não dá pra encurtar a viagem.

Por enquanto, ainda não choveu por aqui. Mas, quando soarem os trovões e a notícia de chuva chegar à minha instância, a água vai encontrar a minha terra arada, adubada e preparada pra dar frutos.

E você, já se preparou para a chuva?

Fonte: http://maciodaro.blogspot.com.br/ o Blog da nossa futura Perita Criminal Federal Mari

Por Jonas Leite

QUER VENCER EM CONCURSOS E NA VIDA? LEIA ESTE DEPOIMENTO

hqdefault

Olá, amigos e amigas, como estão?

Quem escreve é o Jonas, criador e editor deste blog. A postagem de hoje é diretamente para você que possui um sonho, mas não inicia sua conquista por fatores pessoais ou externos.

Antes, gostaria de registrar meus eternos agradecimentos ao Coach e colaborador deste blog Fernando Odnanref, sem os seus ensinamentos, hoje, não seria possível elaborar este texto. Vida longa, irmão!

Bem, sou o Jonas, 33 anos, analista de sistemas, pai, filho, amigo, batalhador, sonhador, enfim, um cara normal. Fiz este breve resumo, pois esse texto não é de autoajuda, tentarei, de forma simples e humilde, registrar os meus ganhos como ser-humano nos últimos tempos: são melhoras extraordinárias que só farão sentido completamente se eu as compartilhar com vocês. Não deixe, também, de indicar aos seus amigos: curta, compartilhe, marque… Afinal, o que é bom tem que ser repassado.


Cheguei ao meu limite emocional, a responsabilidade do trabalho, a falta de diálogo, a instabilidade financeira, o senso de vitimização, a solidão, a frustração e os erros do passado eram companheiros constantes em minha vida. Por mais que houvesse momentos felizes eu me sentia uma pessoa triste. Triste por não sentir prazer no meu trabalho; triste por achar a segunda-feira um péssimo dia mesmo antes de levantar da cama; triste por ser feliz apenas dois dias da semana (sábado e domingo); triste por culpar o passado pela minha situação presente; triste por ganhar razoavelmente bem e não conseguir poupar; triste por ter amigos, mas ao mesmo tempo me sentir sozinho; triste por saber que Deus estava cuidando de mim, mas não era capaz de agradecer corretamente; triste por não ser um filho presente e, ás vezes, um pai também; triste por não ser capaz de me doar a alguma causa pelo simples fato de não ter tempo; triste por impor metas, principalmente de estudos, e não conseguir cumpri-las e triste por desejar mudanças boas e nada acontecer.

Hoje eu enxergo tudo isso, mas há três meses todos esses sentimentos de tristeza eram resumidos em vitimização, ou seja, sentia-me vítima de tudo isso, algo que eu não podia mudar, pois estava longe do meu alcance. Culpava a empresa pela pressão psicológica, atribuía à situação atual do país a dificuldade de me desenvolver financeiramente, apegava-me a certos acontecimentos do passado para justificar fatos, ausências e julgar pessoas, enfim, culpava esses eventos e outros por não atingir minhas metas, principalmente as de estudos. Era uma sensação de impotência que eu acreditava estar predestinado a viver, a conviver e a aceitar.

Engana-se quem pensa que toda essa situação era clara em minha cabeça, pois por incrível que pareça eu me sentia no caminho certo, os resultados eram que não vinham. Sentia-me cumprindo o protocolo de bom pai, de bom filho, de bom profissional, de bom estudante e de bom amigo. Talvez até aqui você tenha se identificado com algo, certo?

Mas como cheguei ao ponto de procurar ajuda já que tudo, “aparentemente”, ia bem? Amigos, sintomas de stress e de depressão, mau humor, ausências afetivas e choros descontrolados faziam parte de minha rotina, mas eu os associava, quase sempre, como consequência de uma vida corrida. Tive a certeza de que precisava de ajuda profissional quando perdi a paixão pelo trabalho, quando deixei de estudar corretamente, quando meus comportamentos mudaram com as pessoas que eu mais amo, quando o amor próprio gritou dizendo que estava quase no fim e quando me senti muito, mas muito distante de Deus. Percebi, então, que sozinho não era possível.

A mudança… O renascimento…

Orei, pedi para que Deus me ajudasse a procurar o melhor tratamento, algo que pudesse responder minhas questões e que fosse capaz de orientar rumo ao meu objetivo.

Antes de detalhar essa mudança de vida extraordinária, exponho para vocês o meu objetivo de vida. Apesar de ter sido aprovado em alguns concursos policiais, meu sonho profissional é de pertencer à Polícia Federal, mais precisamente como Agente de Polícia Federal. Deste sonho surgiu este blog e deste blog surgiu e surge diariamente a vontade de lutar cada vez mais por isso.

Voltando… A mudança.

Decidi que sozinho não era possível vencer. Imagine você dentro de um poço seco, onde a única forma de sair de lá é alguém te jogando uma corda e puxando. Você grita, grita, grita, até que em algum momento alguém ouve e te ajuda. Pois é, aconteceu exatamente isso comigo, mas os meus gritos eram silenciosos, só Deus os ouvia e, como sempre, Ele não me desamparou.

Certa noite, de forma totalmente inesperada, o Coach e Agente da Polícia Federal Fernando Odnanref me chamou no whatsapp dizendo-me que estava gostando do meu trabalho no blog e que eu era merecedor de algumas sessões de coach. Sim, simples assim, sem pedidos e sem rodeios.

Tive a primeira sessão on-line, foram 90 minutos de sabedoria, de amor ao próximo e de aprendizado. Afirmo com todas as letras que após esse primeiro encontro um novo Jonas nasceu. Um Jonas ciente de que a felicidade é uma decisão e não um acaso. Um Jonas consciente de que tudo muda ao seu redor quando você está disposto a mudar. Um Jonas capitão do seu barco e chefe do leme de sua vida. Um Jonas convicto de suas competências e valores. Um Jonas ser-humano que também erra, mas com a diferença de aprender e com isso se arrepender. Um Jonas feliz de segunda a segunda, de férias ou trabalhando, no calor ou no frio, com problemas ou sem eles, enfim, feliz. Um Jonas que entendeu e agregou em sua vida que a felicidade não está no destino, mas sim na jornada.

Amigos e amigas, como disse acima, se eu não compartilhasse esses ganhos e ensinamentos com vocês nada disso faria sentido. Jamais se convençam que a vida é apenas o que te faz sobreviver. A vida é muito mais que sobrevivência; a vida é única e preciosa. Analise seus sonhos, trace um plano de ação, coloque metas e comece a batalhar, pois a vida só fará sentido quando você resolver mudá-la.

Quando tudo estiver ótimo, lembre-se dessa frase: é apenas o começo!

Por Jonas Leite

Conheça o Coach e Policial Federal Fernando Odnanref

 

PROVA CESPE: DICAS DE “CHUTE TÉCNICO” DO AGENTE FEDERAL WELLINGTON

chutecalculado

Olá galera! Blz? E os estudos? Insane Mode: ON?!

Respondendo aos muitos e-mails dos fans, kkkkk, resolvi fazer esse post explicando a minha concepção sobre o chute técnico, estarei me baseando principalmente no meu conhecimento prático e nas análises de dezenas a centenas de gabaritos (CESPE) que verifiquei durante meu preparo. Fiz também algumas pesquisas relacionadas ao assunto enquanto estudava, mas nunca encontrei nada bem sintetizado como o que tentarei fazer nesse post.

SIM, CHUTE TÉCNICO FUNCIONA! PORÉM…ENTRETANTO…TODAVIA… depende do seu nível de estudo; quanto mais preparado você estiver mais ele irá funcionar. Entenda que não estamos falando de um chute às cegas, e sim de uma técnica. E como toda técnica, exige estudo e treino.

Acredito que esse será um dos posts mais intrigantes que vocês já viram, céticos podem não aceitar o que irei falar, mas como dizia Dr. House: “Números não mentem”. xD

Primeiramente, o chute técnico possui diversas linhas de aplicação, abordarei as duas mais conhecidas e, é claro, que mais utilizei.

A primeira delas (se subdivide em 3) não exige tanto conhecimento para ser utilizada, não sei o nome certo, mas sempre chamei de “Questão trancada” ou “Questão Aberta” ou “Questão Semiaberta”.

A “Questão Trancada” engloba as questões que não aceitam outra alternativa, sem a possibilidade de uma segunda opção, exemplo: “APENAS/SOMENTE quem estuda por PDF passa em concurso”. É um exemplo simples, mas a ideia é essa, em tudo que fazemos geralmente tem outra forma de também dar certo (Geralmente há exceções). Esses tipos que questões costumam ter em sua construção um “NÃO É POSSÍVEL”, “APENAS”, “JAMAIS”, “NUNCA” “SOMENTE”, “EM NENHUMA HIPÓTESE”, “DE MODO NENHUM”. Assertivas contendo essas partículas OU EXPRESSANDO ESSES SENTIDOS na gigantesca maioria das vezes está errada, avalio em 80% a possibilidade de tal assertiva ser errada. (Jamais teremos um 100%). Mas se na sua prova tiver 10 questões com essas construções, com certeza você sairá no lucro aplicando a técnica, na pior hipótese você acerta pelo menos 6 e erra 4, ficando com 2+.

A “Questão Aberta” é o oposto da anterior, mas que também tende a estar errada, pois geralmente há exceções; possui os termos “EM QUALQUER CASO”, “DE TODA FORMA”, “SEMPRE”; A probabilidade de estar errada também gira em torno dos 80%. Veja que nem sempre terá esses mesmos termos, você deverá analisar a questão e avaliar qual o sentido que ela está expressando.

Já a “Questão Semiaberta” é o meio termo das duas anteriores, pois nem admite todas as possibilidades como também não inclui apenas uma ou nenhuma. Essas questões geralmente estarão certas. Exprimem a ideia de “Em alguns casos”, “Uma vez ou outra”.

Observe que essas três espécies usam a regra maior que diz: Geralmente há exceção, ou seja, nem tudo é permitido e nem tudo é proibido.

Essa técnica para mim é uma das melhores, pois pode ser aplicada a tudo que for de matéria, nas provas que fiz até hoje sempre apliquei essa técnica, nunca tive prejuízo. Use ela com cautela e a considere apenas como um auxílio, lembre-se que o mais importante é o estudo. E nunca se esqueça dos 20% que faltam para “fechar” a conta. Risos.

Treinem bastante, toda questão que você for responder a partir de hoje, procure primeiro esses termos que disse, e vá aplicando no seu dia a dia, poste aqui os seus resultados dos exercícios. Lhe garanto que funciona.

O “ponto fraco” dessa técnica é que em provas mais elaboradas as bancas tentam ao máximo evitar esses tipos que construções, entretanto, o sentido que os termos expressam dificilmente é completamente evitado, embora se utilizem de outras palavras. xD.

Em uma estimativa por baixo, nas provas de 120 questões, você irá conseguir aplicar essa técnica em cerca de 5 a 10 questões. (Se tratando de chute, é um número elevado).

Tenha em mente que não se passa em um concurso apenas com técnicas de chute, são um auxílio, que se bem aplicadas, irão lhe garantir alguns pontos extras. Imagine quantos não passaram no concurso de APF 2014 e em tantos outros por falta de 1 ponto ;/.

A Segunda técnica é muito mais complexa, e nunca utilizei, mas conheço vários amigos que usaram e hoje estão na PF ou em outros órgãos. Está diretamente ligada a seu nível de estudo. Quanto melhor você estiver, melhor será a sua aplicação.

Funciona da seguinte forma, após você terminar toda sua prova, conte quantas você marcou “C” e quantas “E”; as provas tendem a ter gabaritos balanceados, de modo que 50% de toda a prova será C e a outra metade E. Ou seja, se a prova tiver 120 questões, seu gabarito terá 60 C e 60 E. Dentre tantos gabaritos que analisei, em alguns casos, de fato batiam 60C/60E, porém a grande maioria vem com 62/58; 61/59; 63/57. Veja que não há diferenças exorbitantes, há um equilíbrio, e é nisso que tiramos vantagem. Então, no fim você contou e digamos que tenha respondido 110 questões, e dentre essas, 50 você marcou como C e as outras 60 marcou como E, as 10 que ficaram em branco marque elas como “C”, se (como já falei antes) você estiver em um bom nível de preparo, com certeza irá ganhar alguns pontos. O ponto fraco dessa técnica é que, como no meu caso, na prova de APF 2014 respondi apenas umas 92 questões, não mais que isso, e quando contei, os números estavam bastante equilibrados, algo em torno de 50E/42C e ainda faltavam 28 questões. Portanto, não foi possível o uso dessa técnica nessa situação. Mas vários amigos com quem conversei na ANP fizeram isso e ganharam pontos, uns conseguiram 2, outros 5 e por aí vai, lembro que pra PRF um amigo ganhou 7 pontos. Essa realmente funciona, e como eu disse, na minha prova não pude usar ela, mas estava preparado para utilizá-la se fosse possível. Mas como eu disse, você deve treiná-las para tê-las como auxílio, não deu para eu usar essa, mas a primeira que citei me auxiliou bastante.

A última técnica, (Só soube dela após fazer minha prova) é um tanto quanto absurda, mas que se eu tivesse utilizado teria ganhado uns 10 pontos; na realidade é desdobramento da anterior, e também depende inteiramente do seu nível de preparação, funciona da seguinte forma: em linhas gerais, encontre em sua prova 35 questões erradas, e chute todo o resto (85) como “C”. Sei que parece estranho, mas vejamos: considerando que as provas sejam equilibradas 60C/60E, se você acerta as 35 que marcou como E, e marcou as outras 85 como C, veja que irá acertar todas as questões C, garantindo 60 pontos e errar as outras 25E, como uma errada anula uma certa, acertou 35 + 60 = 95, subtraindo as 25E, fica com 70 pontos, com uma redação bem feita, você está aprovado.

O amigo que me mostrou essa técnica, olhei a prova dele com meus próprios olhos, e tinha sequências grandes todas respondidas como C, cerca de 15 questões seguidas, óbvio que foi chute. Mas só funcionou porque ele acertou as 35 questões (ou bem perto disso) que marcou como E, ou seja, exige que você esteja preparado. Ele se arriscou porque, nas palavras dele, “estava estudando há pouco tempo e não tinha condições de atingir uma nota para ser aprovado pelo meio convencional de se responder provas e tinha confiança de que acertaria as 35 que marcou como E”.

Você pode estar se perguntando, por que 35 E ao invés de 35 C? Questões erradas são mais fáceis de respondermos, não é verdade? É fácil quando se encontra o erro; por outro lado, quando a questão está C temos mais dificuldades para marcar, pois pode ser que seja questão capciosa e não estamos identificando erro algum, sempre questão C é mais difícil!

Quem descobriu essa ideia certamente é um gênio, faz todo sentido, e como já disse, eu ganharia uns 10 pontos se tivesse aplicado ela nas outras 28 questões de deixei em branco, me colocaria no Top 10. xD

O ponto fraco dessa técnica é que ela depende totalmente do seu desempenho em acertar as questões “E”. No meu caso, respondi 50E, óbvio que não acertei as 50, devo ter errado umas 3-4, ainda assim, acertei umas 45 E, logo, se eu tivesse aplicado a técnica, teria ficado próximo aos 90 pontos (fiz 78). No gabarito definitivo, ficou 61C, 52E e 7 anulações. Outro risco, como sempre, é de a banca fazer uma prova desbalanceada, isto é, 80E e 40C, ou o contrário, mas sinceramente, acho muito difícil de algo assim acontecer, no máximo um 67/53. 

O risco sempre existe. Vai de cada um arriscar ou não, falo por mim, e apenas por mim, Wellington Macedo,  não é a opinião do blog, tendo em vista que não perguntei a ideia dos amigos Alexandre Santos nem do Caverna; utilizei a primeira técnica sempre, a segunda não usei na PF, e na prova da PRF preferi não arriscar, mas me arrependi, teria conseguido uns 5 pontos a mais. 

O objetivo desse post é trazer a vocês novas abordagens, tentei explanar ao máximo os pontos positivos e negativos de cada técnica. Não estimulo nem aconselho ninguém a usar essas técnicas (exceto a primeira, desperdício seria não utilizá-la), analise você mesmo os números, as possibilidades, em que nível de preparação você se considera estar e decida por conta própria e boa prova!

Devo deixar claro que essa questão se aplica a praticamente todas as bancas e a todos os concursos e vestibulares.

Recordo de um Sr. chamado Sapóia, tem alguns vídeos dele no Youtube explicando algumas ideias do que citei aqui, aconselho a analisarem, e sempre terem em mente que nenhuma técnica de chute lhe garantirá uma vaga, e sim o seu preparo, a sua dedicação, portanto, se você decidir usar as técnicas, use-as como a “ultima ratio”. Se eventualmente elas funcionarem com você, lembre-se que não é por “pura sorte”, é porque você estava preparado; e, quanto mais preparado você está, mais “sortudo” você se torna”. Como disse Tiger Woods: “Quanto mais eu treino, mais sorte eu tenho”. 

Acho que é tudo galera! Estude cada dia mais, se supere a cada semana!

Qualquer coisa, estou à disposição, postem suas dúvidas, se preferir, me enviem email. lingworks@hotmail.com

Bons Estudos! Insane Mode: ON!

Fonte: http://aspirantespf.blogspot.com.br/ Por Jonas Leite

Orçamento Federal prevê 38.329 vagas para 2017

No final do dia 31 de agosto, o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) encaminhou ao Congresso Nacional o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) 2017. Ainda na mesma data, em coletiva de imprensa, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse que a proposta reflete “uma nova era da gestão fiscal do país, marcada pelo controle das despesas, pela transparência, pelo realismo e pela clareza das informações, além da busca incessante de se alcançar os resultados que são projetados”.

Consta no anexo V do documento enviado ao Congresso que para o próximo ano há uma perspectiva de 38.329 vagas no âmbito federal. Deste total de oportunidades, 22.855 são resguardadas para a criação de cargos presentes nos projetos de lei em trâmite na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. As demais 15.474 se referem ao provimento de postos para substituições de terceirizados e preenchimento de chances de concursos em andamento e para militares.

Na parte de criação de cargos, 15.097 vagas são para o Poder Judiciário, 3.897 para a Defensoria Pública da União e 3.861 para o Poder Executivo.

Já no que refere ao provimento de oportunidades, 239 são para o Poder Legislativo; 1.554 para o Poder Judiciário; 252 para o Ministério Público da União e Conselho Nacional do Ministério Público; 44 para a Defensoria Pública da União; e 13.385 para o Poder Executivo.

Fonte: JC Concursos por Jonas Leite

Musculação vs Concurso vs Família

Hoje abordarei um assunto o qual eu venho recebendo comentários e críticas todos os dias: academia, treino e suplementação!
Primeiramente, eu treino sério porque os candidatos ao concurso da Polícia Federal ou mesmo da área policial devem se atentar à preparação com antecedência, pois existe uma etapa temida por muitos candidatos chamada: Teste de Aptidão Física (TAF). Essa fase pode se tornar um pesadelo na busca da tão sonhada carreira; isso quando o candidato não está preparado.

Conheço diversos candidatos que se prepararam excelentemente bem para às etapas teóricas e quando findou o teste físico… ploft!..! {{Reprovado}} Não existem treinos milagrosos nem dietas “the flash”, a preparação para um concurso policial requer disciplina diferenciada, pois não é o bastante apenas responder questões corretas, é necessário cumprir, com louvor, todas as exigências do teste físico descrita no edital.

Alguns candidatos pecam em iniciar a preparação somente quanto recebem a ótima notícia da aprovação. Isso é um erro, pois o corpo necessita de tempo e de condicionamento para atingir o nível exigido.

Sei que a dúvida de quase todos é: mas se não há edital em vista, eu devo treinar? A resposta é sim! Uma grande aliada à administração e a manutenção do corpo chama-se: ACADEMIA. Isso mesmo, nobres candidatos, adquiram a disciplina de frequentar à academia ou qualquer outro local que possibilite manter a saúde do seu corpo.

Abaixo um ótimo artigo que exemplifica bem o que é treinar com saúde, mesmo, em alguns casos, família e amigos duvidando da sua evolução.

Infelizmente hoje, as pessoas que vão para academia malhar, na maioria das vezes possuem apenas algo na cabeça, ter um corpo perfeito para exibir no verão, para ir para uma boate, ou até mesmo para se exibir. Porém quando chegam um pouco próximo do esperado, desistem, pois não suportam disciplina, dor e seriedade.
As pessoas têm que colocar uma coisa na cabeça, na vida sempre vai existir dificuldades, barreiras, seja na musculação ou no cotidiano profissional, haverá sempre dois caminhos, o fácil e o difícil. Não se afobe, o difícil é o mais correto de seguir, pois nada começa do topo.
Essa postagem não é para criticar quem malha ou quem pratica os mais variados esportes, mas sim para que este conscientize e respeite aqueles que treinam sério e tem objetivos na vida, pois estes surpreenderão as pessoas em sua volta com resultados positivos, graças a sua dieta, sua determinação e seu conhecimento sobre si. “Sonho, foco e satisfação, esse é o ciclo!”
Que todos saibam que para ter um objetivo alcançado na musculação não é preciso tomar anabolizantes ou então treinar a mais ou a menos, mas sim, conhecer seu corpo, alimentar mais, descansar mais e treinar com muita intensidade e aprender a superar desafios. Este é o caminho dos vencedores!

Rafael Pompeu

De Cacoal/RO é graduado em Direito e concurseiro policial.

Fonte: http://www.hipertrofia.org/blog/

Tatoo em concursos policiais: decisão do STF

Você, candidato (a), que sempre sonhou com a carreira policial mas curte tatuagens, leia esta decisão do STF e fique atento (a) ao edital!!!


Proibição de tatuagem para candidatos a cargo público é tema de repercussão geral

O Supremo Tribunal Federal (STF) irá decidir se é constitucional a proibição de certos tipos de tatuagens a candidatos a cargo público contida em leis e editais de concurso público. A questão será analisada no Recurso Extraordinário (RE) 898450, interposto por um candidato ao cargo de soldado da Polícia Militar de São Paulo contra acórdão do Tribunal de Justiça local (TJ-SP) que reformou decisão de primeira instância e manteve sua desclassificação do concurso. O RE, de relatoria do ministro Luiz Fux, teve repercussão geral reconhecida pelo Plenário Virtual e irá definir se o fato de uma pessoa possuir determinado tipo de tatuagem seria circunstância idônea e proporcional a impedi-lo de ingressar em cargo, emprego ou função pública.

Manifestação

“No momento em que a restrição a determinados tipos de tatuagens obsta o direito de um candidato de concorrer a um cargo, emprego ou função pública, ressoa imprescindível a intervenção do Supremo Tribunal Federal para apurar se o discrímen encontra amparo constitucional. Essa matéria é de inequívoca estatura constitucional”, salienta o ministro Fux.

O relator enfatiza que o artigo 37 da Constituição Federal (incisos I e II) estabelece que o provimento de cargos públicos efetivos depende de aprovação em concurso público de provas ou de provas e títulos e se dará nos termos de lei. Entretanto, pontuou, um alegação genérica de que o edital é a lei do concurso não pode, em hipótese alguma, implicar ofensa ao texto constitucional, especialmente quando esta exigência não se revelar proporcional quando comparada com as atribuições a serem desempenhadas no cargo a ser provido. Segundo ele, é preciso definir se o fato de um cidadão ostentar tatuagens seria circunstância idônea e proporcional a impedi-lo de concorrer a um cargo público.

“A meu juízo, o recurso veicula matéria constitucional e merece ter reconhecida a repercussão geral, haja vista que o tema constitucional versado nestes autos é relevante do ponto de vista econômico, político, social e jurídico, e ultrapassa os interesses subjetivos da causa, mormente diante da constatação da existência de leis e editais disciplinando a restrição de candidatura a cargos, empregos e funções quando se está diante de tatuagem fora dos padrões aceitáveis pelo Estado”.

Fonte: http://www.stf.jus.br/

Lei 12990/14 – Cotas raciais no serviço público

Amigos concurseiros, a leitura desta lei é muito importante. No dia 09/06/2014 a Presidenta Dilma Rousseff sancionou a lei que prevê cotas raciais nos concursos para cargos no serviço público.

Art. 1o Ficam reservadas aos negros 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União, na forma desta Lei.

§ 1o A reserva de vagas será aplicada sempre que o número de vagas oferecidas no concurso público for igual ou superior a 3 (três).

§ 2o Na hipótese de quantitativo fracionado para o número de vagas reservadas a candidatos negros, esse será aumentado para o primeiro número inteiro subsequente, em caso de fração igual ou maior que 0,5 (cinco décimos), ou diminuído para número inteiro imediatamente inferior, em caso de fração menor que 0,5 (cinco décimos).

§ 3o A reserva de vagas a candidatos negros constará expressamente dos editais dos concursos públicos, que deverão especificar o total de vagas correspondentes à reserva para cada cargo ou emprego público oferecido.

Art. 2o Poderão concorrer às vagas reservadas a candidatos negros aqueles que se autodeclararem pretos ou pardos no ato da inscrição no concurso público, conforme o quesito cor ou raça utilizado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

Parágrafo único.  Na hipótese de constatação de declaração falsa, o candidato será eliminado do concurso e, se houver sido nomeado, ficará sujeito à anulação da sua admissão ao serviço ou emprego público, após procedimento administrativo em que lhe sejam assegurados o contraditório e a ampla defesa, sem prejuízo de outras sanções cabíveis.

Art. 3o Os candidatos negros concorrerão concomitantemente às vagas reservadas e às vagas destinadas à ampla concorrência, de acordo com a sua classificação no concurso.

§ 1o Os candidatos negros aprovados dentro do número de vagas oferecido para ampla concorrência não serão computados para efeito do preenchimento das vagas reservadas.

§ 2o Em caso de desistência de candidato negro aprovado em vaga reservada, a vaga será preenchida pelo candidato negro posteriormente classificado.

§ 3o Na hipótese de não haver número de candidatos negros aprovados suficiente para ocupar as vagas reservadas, as vagas remanescentes serão revertidas para a ampla concorrência e serão preenchidas pelos demais candidatos aprovados, observada a ordem de classificação.

Art. 4o A nomeação dos candidatos aprovados respeitará os critérios de alternância e proporcionalidade, que consideram a relação entre o número de vagas total e o número de vagas reservadas a candidatos com deficiência e a candidatos negros.

Art. 6o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação e terá vigência pelo prazo de 10 (dez) anos.

Parágrafo único.  Esta Lei não se aplicará aos concursos cujos editais já tiverem sido publicados antes de sua entrada em vigor.

Leia na íntegra – clique aqui

Fonte: Palácio do Planalto – Presidência da República

Aprenda a fazer uma prova estilo CESPE


Amigos, o processo de liberação do edital para 600 vagas de Agente da Polícia Federal está caminhando. Já prevendo que a banca será a CESPE e, tendo a prova de 2012 como base de análise, abaixo demonstramos, de uma forma simples, como ela funciona, pois a grande maioria dos candidatos tem o conhecimento suficiente para ser aprovado, mas reprovam por não conhecerem esse estilo.

  • A prova, salvo mudanças, terá a duração de 5 horas e abordará 120 questões objetivas de Certo “C” ou  Errado “E”, 2 questões dissertativas e 1 redação, ou seja, prova objetiva e dissertativa de uma vez só.
  • A cada assertiva  errada a banca debitará do candidato uma questão certa, ou seja, se a prova possuir 120 questões e, dessas questões 60 estiverem corretas e 60 incorretas, a nota do candidato na prova objetiva, neste caso, será zero “0”.
  • Marque apenas as questões que tiver certeza, pois no gabarito é permitido deixar as duvidosas em branco.
  • No caso do cargo de Agente da Polícia Federal, a média de aprovação para a próxima fase fica em torno dos 70 a 74 pontos, então, faça a prova com calma e não se desespere se não conseguir fechar as questões.
  •  É “anormal”, “muito anormal” gabaritar prova CESPE, dizem que, se alguém fizer isso, o candidato será contratado pela NASA, portanto, não tenha esse objetivo, senão ele poderá te prejudicar.
  • Faça simulados em casa, pois o tempo é curto para muitas questões. Esse estilo de prova também avalia o senso de organização e controle do candidato, contudo, só os preparados conseguirão unir o conhecimento estudado com a forma de resolver a prova.
  • Na última prova foram cobradas: 26 questões de Português; 19 de Informática; 04 de Atualidades; 09 de Raciocínio Lógico; 09 de Administração Financeira e Orçamentária; 08 de Economia; 11 de Contabilidade; 09 de Direito Penal; 09 de Processo Penal; 10 de Direito Administrativo; 06 de Legislação Especial; 02 questões dissertativas e 01 redação.