Concurso PRF 2017: leia entrevista com coordenador de RH da corporação

No que depender da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o concurso para 1.300 vagas de policial rodoviário será aberto muito em breve. O coordenador geral de Recursos Humanos da corporação, Jesus Caamaño, informou à FOLHA DIRIGIDA, durante entrevista exclusiva, concedida em Brasília, que a direção-geral da PRF está empreendendo esforços para que a seleção possa sair do papel o mais rápido possível.

“A direção da PRF está empenhada em fazer acontecer o concurso e a gestão necessária junto ao Ministério do Planejamento”, garantiu Caamaño. Ele lembrou que, desde agosto do ano passado, a corporação já trabalha em uma proposta de edital, enquanto aguarda o sinal verde para a abertura da seleção.

“O concurso 2017 PRF depende da autorização do Ministério do Planejamento, mas nós não podemos aguardá-la para começar a trabalhar. É como o agricultor. Ele semea na esperança de que a semente vai germinar, vai crescer e frutificar. Essa semente nós estamos lançando com todo zelo. Estamos fazendo a análise do edital desde agosto. Enquanto não autorizarem o concurso, nós vamos continuar aperfeiçoando esse edital.”
Após autorização, edital da PRF sai em até três meses

Ele explicou que o pedido de concurso continua sob análise do Ministério da Justiça, para em seguida ser encaminhado ao Ministério do Planejamento, órgão responsável por avaliar o impacto orçamentário e autorizar as contratações. Caso receba o sinal verde para abrir a seleção, ele garantiu que o edital sairá em curto espaço de tempo. “Após a autorização, o edital deverá sair em torno de dois a três meses. Será o tempo necessário para escolher a banca organizadora”, explicou o coordenador geral de Recursos Humanos.

Caamaño confirmou que a PRF tem déficit de 2.500 policiais e demonstrou preocupação em relação ao elevado número de servidores que já reúnem as condições necessárias para se aposentar, ainda mais porque o governo pretende aprovar novas regras com a Reforma da Previdência.

“É questão de matemática. Se somarmos 3.600 servidores que reúnem condições para se aposentar ao déficit de 2.500, cairemos para um quadro de cerca de 7 mil policiais. A situação vai ficar ainda pior, muito mais difícil do que hoje. Nós temos o intuito de avançar na entrega à sociedade, mas para isso a gente precisa de mais pessoal, mais equipamento, tecnologia, investimento. É lógico que se você tirar o pessoal, certamente a viatura não anda sozinha, a abordagem não acontece só com câmeras. O elemento humano é essencial. É difícil fazer uma previsão se a Reforma da Previdência vai acelerar as aposentadorias, mas é algo que faz sentido. Se tenho requisitos implementados e vem uma reforma que eu possa me aposentar sem regras de transição, com a integralidade de salário, isso pode influenciar.”

PRF sofre com carência em todo o país

O coordenador geral de Recursos Humanos informou que a carência de policiais atinge o país inteiro. “Faltam servidores em todos os estados, uns mais que os outros, mas há em todos. Temos hoje um plano de segurança nacional pública que foca muito a segurança em estados de fronteira. Temos também muita demanda em relação ao eixo Rio-São Paulo, em virtude da Rodovia Presidente Dutra, por onde trafega cerca de 50% do PIB do Brasil em mercadorias e riquezas e onde, infelizmente, há uma incidência grande de roubos de cargas. Sendo um órgão nacional, nós precisamos suprir todos os estados. A gente evita falar em regionalismos. Demandas pontuais existem, não negamos, mas a nossa preocupação vai bem além de um estado ou outro”, explicou.

Jesus Caamaño informou que o concurso, caso seja autorizado pelo Ministério do Planejamento, será de caráter nacional e não regionalizado (com edital trazendo vagas específicas por estado). “É um pouco complexo o concurso regional, pois somos uma força de caráter nacional. E o concurso nacional é aquele que mais satisfaz aos interesses do órgão, segundo as políticas públicas e governamentais estabelecidas, para poder lotar o aprovado onde a administração considera necessário”, destacou.

O cargo de policial rodoviário federal tem requisito de formação superior em qualquer área, além de carteira de habilitação, na categoria B ou superior. A remuneração inicial oferecida é de R$9.501,98, já incluindo o auxílio-alimentação, de R$458. Há reajuste aprovado, aumentando os iniciais para R$9.931,57 em 2018 e para R$10.357,88 em 2019. O último concurso para o cargo foi aberto em 2013, tendo sido organizado pelo Cespe/UnB.

Fonte: Folha Dirigida

Por Jonas Leite

One Reply to “Concurso PRF 2017: leia entrevista com coordenador de RH da corporação”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s